Nome Comum: Congro, Safio

Nome Científico: Conger conger (Linnaeus, 1758)

Classificação Científica:
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Actinopterygii
Ordem Anguilliformes
Família Congridae
Género Conger
Espécie C. conger

Sinonímias: Anguilla conger, A. obtusa, C. communis, C. linnei, C. niger, C. rubescens, C. verus, C. vulgaris, Helmictis punctatus, Lepidopus pellucidus, Leptocephalus candidissimus, L. conger, L. gussoni, L. inaequalis, L. lineatus, L. morrisianus, L. morrisii, L. pellucidus, L. spallanzani, L. stenops, L. vitreus, Muraena conger, M. nigra, Ophidium pellucidum, Ophisoma obtusa

Estatuto de Conservação: LC - Pouco Preocupante

Destaca-se pelo corpo alongado, chegando a atingir os 3 m de comprimento e uns impressionantes 110 kg. Os olhos são grandes e o focinho é ligeiramente proeminente. Possui dentes incisiformes, inseridos nas duas maxilas, muito compridos e muito serreados, formando um bordo cortante. A coloração dorsal varia entre o acinzentado e o negro; a zona ventral é mais clara. A barbatana dorsal tem origem ao nível da extremidade das barbatanas peitorais. As barbatanas dorsal, caudal e anal encontram-se unidas. As barbatanas pélvicas estão ausentes.

Nota: espécie com um grande valor comercial.

Vive em cavidades nos fundos rochosos e arenosos do infra e circalitoral, até aos 500 m de profundidade. Na fase juvenil permanece perto da costa, deslocando-se para águas mais profundas quando atinge a maturação sexual. De actividade essencialmente nocturna, trata-se de um voraz predador de peixes, crustáceos e cefalópodes.

Distribui-se pelo Atlântico oriental, desde a Noruega e Islândia até ao Senegal, ocorrendo também no mar Mediterrâneo e mar Negro.

Onde se pode encontrar:

Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina




Sem ameaças a destacar.

Sem medidas a destacar.

Ligações Externas

Interacções predador-presa entre o safio, Conger conger, e as suas presas: implicações na conservação

Autor: Jorge Araújo Validado por: